Jogamos Pesadelos Terríveis

No sábado dia 22/07/2017, no evento Saia da Masmorra, organizado pelo grupo de mesmo nome, no centro do Rio de Janeiro, na Livraria Cultura, houveram várias mesas de RPG, em especial, uma sombria e macabra de Pesadelos Terríveis!!!

Nota do Editor: RPGWorld não fala apenas de jogos que usam a AWE? Não, falamos de jogos, RPG ou não, pela perspectiva de jogos que usam essa engine, destacando semelhanças, pontos que poderiam ser incluídos ou melhorados em seus sistemas e o como seria uma adaptação para se tornar um jogo PbtA!

Retornando à análise,  trata-se de um rpg de horror sobrenatural, onde os jogadores encarnam pessoas capazes de sentir pesadelos vivos que influenciam a sociedade, manipulando medos e desejos e expandindo seus territórios. Esses sonhadores tem a capacidade de se tornarem eles mesmos pesadelos e com suas ações mudar o cenário em que se encontram.

Baseado em uma HQ, a Beladona, o jogo deixa muitas decisões importantes e tensas nas mãos dos jogadores, que se veem diante de questões morais e decisões que podem fazer uma pessoa mais sensível ter pesadelos terríveis depois de jogar uma seção.

Sobre o sistema, embora não utilize a AWE, o Pesadelos Terríveis bebe de suas fontes, ao utilizar fichas de Aventura similares às frentes de aventura, também deixa perguntas para serem respondidas pelos personagens, usa movimentos de personagens personalizados e únicos para cada jogador.

Sobre a aventura, foi criada a ficha de cenário em conjunto com os jogadores no início da seção, seguido pela explicação das regras e do uso dos personagens, em seguida foram criados os domínios dos pesadelos, dando vida aos npcs baseados nos personagens e no cenário e em seguida foi iniciada a seção.

Temas fortes como racismo, aborto, depressão, religião, falta de esperança e desapego com o futuro foram trazidos à tona de forma madura e equilibrada, encerrando em um combate épico quando a fé se torna um medo maior que a falta de esperança ou a violência ou o fracasso.

Como adaptar para AWE?

  • Criar fichas de personagens baseados em arquétipos comportamentais e sentimentais, como curiosidade, esperança, vingança e não profissões permitindo a aquisição de traumas e movimentos correlatos de forma mais genérica, mas mais livre.
  • Adaptar as fichas de cenário e domínios para as frentes de aventura.
  • Usar os traços – Antes, Agora e Depois como Características, justificando cada ponto que poderia ser somado a uma jogada (-1 ou +1, dependendo se influencia na jogada e limitado a -3 e +3 no total).
  • A trama seria uma ficha a parte para o mestre, assim como poderia ser os pesadelos ou o mundo, mas com elementos abertos para os jogadores.
  • Focar nas experiências de terror e na temática onírica, adaptando e incorporando o conceito de cenas no relógio da seção, trazendo os traumas dos jogadores à tona e os colocando no limite da loucura e da explosão.

Tem ideias que podem ajudar na adaptação? Conhece outro jogo AWE que tem essa temática? Está com medo de dormir….., entre em contato!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s